Menu

Especial CCXP 2016: CAIO YO

É isso ai, marmotas!

Como eu havia prometido, começamos agora um esquenta para a CCXP 2016! Traremos para vocês uma série de entrevistas com artistas que estarão lá na Artists Alley mostrando o seu trabalho! Vamos conhecer um pouquinho sobre esses artistas, seus processos criativos e também o que nós poderemos encontrar lá no evento!

Hoje nós iremos bater um papo super legal com Caio “Yo”, nascido em 1986, reside na cidade de Campinas e trabalha com ilustração desde 2007. Começou atuando no mercado publicitário, onde trabalhou para diversas agências de publicidade de Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro, para clientes como Itaú, Caterpillar, Bradesco, 3M, entre outros. Depois disso passou a ilustrar também para o mercado editorial, em livros didáticos e para-didáticos das editoras Positivo e Moderna, e livros infantis e infanto-juvenis como “Bicho-Carpinteiro”, “Jovens Craques do Brasil Futebol Clube”, “A Rainha Entediada”, entre muitos outros.

15045731_1464299433583723_1885975254_n

Hoje em dia é presença constante em revistas do mercado nacional, como a “Mundo Estranho”, a “Super Interesante”, da editora Abril, a GQ, das editoras Globo e a “Nintendo World”. Como colorista e autor independente, já publicou diversos trabalhos no mercado de histórias em quadrinhos, como o “Cidadão Invisível”, da editora Àtica, o “MSP+50”, da editora Panini, e as revistas “Imbroglio”, “Behalter”, “Mortalha”, além de trabalhar em storyboards.

Caio também é artista freelancer da empresa americana ESC/Toys, onde faz trabalhos conceituais e técnicos, para a produção de brinquedos colecionáveis. Já participou de diversas exposições e publicações internacionais de empresas como a Capcom e a Cartoon Network. Atualmente é bastante ativo no mercado de games, já tendo trabalhado para diversas empresas e start-ups. É o diretor de arte do recentemente lançado “A Lenda do Herói”.

Conte um pouco sobre sua trajetória. Como foi o início da sua carreira? Foi uma coisa que você sempre quis fazer, ou foi acontecendo?

Eu sempre gostei de desenhar, mas de alguma forma eu fui puxado para trabalhar com isso, em uma fase em que estava indeciso quanto ao meu futuro profissional. Com 18-19 anos comecei a dar aulas de desenho, e a partir daí comecei a trabalhar com agências de publicidade e editoras. Algum tempo depois comecei também a trabalhar com games e conteúdo para o YouTube.

Eu percebi como o mercado é rico, cheio de vertentes diferentes de desenho e aplicações para ele. Mas é importante sempre continuarmos aprendendo, melhorando e até mesmo diversificando o que fazemos. Hoje em dia eu prezo muito também o meu trabalho autoral, independente, porque é ele que me realiza e satisfaz como artista.

mundo-estranho-caio-yo

Eu sei que essa é uma pergunta extremamente complicada, pois acho que podemos dizer que os artistas sempre são influenciados por tudo aquilo que os atrai, mas existe algum autor ou obra que você possa dizer: “Essa aqui foi algo que ajudou a definir a minha carreira.”?

Exatamente como você disse, acho que as nossas influências são várias, e vêm de várias direções. Eu, por exemplo, não consigo definir uma influência única. Acho que o meu desenho tem influência de vários lugares… Começando pelo mangá, Akira Toriyama (Dragon Ball) e Yoshiyuki Sadamoto (Evangelion), passando pelo quadrinho ocidental, Mike Mignola (Hellboy), Paul Pope (Batman Ano 100), Herge (Tintin) e passando ainda por alguns outros artistas como Alphonse Mucha e Hokusai.

Nos quadrinhos, especificamente, acho que atualmente tive muita influência de duas autoras independentes, a Becky Cloonan e a Jen Wang. Elas escrevem histórias lindas, poéticas e filosóficas… seja inseridas em um contexto contemporâneo ou num contexto de fantasia/ficção.

marker-studies-caio-yo

Como é seu processo criativo?

Varia bastante! Meu trabalho profissional para agências e editoras é totalmente digital. Meu trabalho autoral é mais caótico. Geralmente as idéias nascem nos cadernos. Sejam anotações de histórias e idéias para quadrinhos ou desenhos.

Algumas vezes, eu continuo o trabalho no computador, usando uma mesa digitalizadora (Cintiq) e softwares como o Photoshop. Hoje em dia, porém, tenho preferido usar material físico, como marcadores, lápis de cor e guache… É mais gostoso. Se sujar, usar o material físico…

pencil-studies-caio-yo

Se a terra fosse invadida por aliens, e você pudesse salvar apenas um de seus trabalhos, qual seria? Por quê?

Eita! Acho que algum dos meus quadrinhos! O Mortalha ou o Fúria (o mais atual). O desenho é só uma plataforma para nos comunicarmos, transmitirmos idéias, mas são as histórias (no caso os quadrinhos) que carregam as nossas idéias, mensagens que queremos passar. Acho que é isso que todo artista quer que siga adiante.

blues_caio_yo

E para a CCXP 2016? Qual material nossas marmotas poderão encontrar?

No CCXP eu vou lançar um quadrinho novo, o Fúria (imagem da capa logo abaixo!). E está baratinho, R$15,00! Vou estar numa mesa com o VencysLao, que é um artista e animador incrível. Vamos estar cheios de prints, fanarts e artes originais. Passem por lá, tenho certeza que vão encontrar algo que vão querer levar para casa! =)

furia-caio-yo

Que conselhos você daria para quem está começando?

1) Sempre continue estudando, melhorando o seu trabalho. É importante continuar melhorando, fazendo aulas, workshops, palestras… E buscando diversificar o seu trabalho!
2) Exponha o seu trabalho no maior número possível de plataformas. Exposições, publicações, portfólios online (Behance, Deviant, Tumblr, Instagram…), eventos… É só assim que agências, estúdios e outros possíveis clientes poderão te encontrar.  E muito boa sorte!

É isso ai marmotas! Fiquem ligados, pois na próxima semana teremos MUITO MAIS!

 

 

Profundo conhecedor da resposta para a vida, o universo e tudo mais. Realizou seus estudos em Hogwarts, logo após retornar de uma viagem realizada em uma galáxia muito, muito distante. Adora café, nerdices e bater um papo emocionante com o Sr. Spock.

No comments

Deixe uma resposta

Inscreva-se no nosso canal!